Sexo, sexualidade e câncer de mama

SEXUALIDADE DURANTE O TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

O tratamento quimioterápico e o tratamento hormonal (hormonioterapia) podem causar mudanças funcionais no corpo da mulher que poderão impactar na sexualidade e na qualidade de vida. Neste cenário, está ficando cada vez mais em evidência o termo oncosexualidade estudando: sexo, sexualidade e câncer de mama.

Os principais efeitos colaterais do tratamento são:

PERDA DA LIBIDO

O tratamento do câncer de mama, principalmente quando foram utilizados quimioterapia e/ou hormonioterapia, pode levar a redução da libido (veja sobre tratamento adjuvante com quimioterapia e hormonioterapia do câncer de mama).

Do ponto de vista funcional: em geral, esse efeito está relacionado a baixa hormonal. Normalmente, quando o médico indica o tratamento de terapia hormonal ou quimioterapia, há diminuição dos níveis de estrogênio. Consequentemente, essa queda leva à diminuição da libido.

Do ponto de vista psicológico: medo da doença, medo do tratamento, aspecto da autoimagem corporal por perda do cabelo, inchaço, medo de perda da mama… melhores.

INFERTILIDADE

Para as mulheres em idade fértil, a quimioterapia pode levar a incapacidade de ficar grávida futuramente por lesão das células germinativas (relacionadas a capacidade de gravidez).

Mas isso é só uma possibilidade e poderá ocorrer só após o tratamento (ou não ocorrer), logo, é extremamente importante a utilização de métodos contraceptivos durante a quimioterapia (fundamentalmente o DIU de cobre e camisinha) para evitar uma eventual gravidez no transcorrer do tratamento. Como veremos mais a diante, a paciente poderá ter relação sexual durante o tratamento, mas deverá se precaver em relação a gravidez.

Para as mulheres que ainda não tiveram filhos e desejam gravidez é fortemente aconselhado alguma modalidade de “preservação de fertilidade”.

A técnica mais utilizada de preservação de fertilidade é a vitrificação de óvulos realizada antes do início da quimioterapia em clínicas de reprodução humana.

DOR AO TER RELAÇÃO SEXUAL

As mulheres que passam por tratamento oncológico podem ter a vagina ressecada por falta da lubrificação vaginal natural. Com isso, o ato sexual se torna doloroso e inviável pela simples falta de lubrificação.

Para tentar reverter o problema é utilizando lubrificantes íntimos, com aplicadores intravaginais ou mais modernamente com o uso de laser vaginal com ótimos resultados

RELAÇÃO SEXUAL

Durante a quimioterapia: a relação sexual é permitida durante a quimioterapia. No entanto, as mulheres que estão recebendo quimioterapia frequentemente notam a diminuição do desejo sexual. Os efeitos colaterais físicos, como dor no corpo, enjoo, cansaço e fraqueza reduzem o desejo sexual.

O desejo sexual volta quando a mulher se sente melhor. Nos casos de quimioterapia, o desejo sexual tente a retornar alguns dias antes do próximo ciclo.

Após o término de quimioterapia, os efeitos colaterais desaparecem lentamente, e o desejo sexual retorna aos níveis anteriores quando nenhum outro tratamento medicamentoso é necessário.

Durante a hormonioterapia:

– Pacientes em uso de tamoxifeno: tendem a ter uma melhora na qualidade de vida sexual com poucos efeitos colaterais e com manejo mais fácil das disfunções sexuais.

– Pacientes em uso de inibidor de aromatase (anastrozol, letrozol ou exemestano) e gosserrelina (Zoladex): estas pacientes são mais sintomáticas e tem o tratamento das disfunções sexuais mais desafiador para o médico

Em resumo, os quimioterápicos podem ser tóxicos para os ovários, podendo, em alguns casos, levar à infertilidade e um pouco menos comum podendo causar toxicidade na parte produtora de hormônio causando redução dos níveis de hormônios/menopausa precoce.

Cenários possíveis:

  • Baixa transitória dos níveis hormonais
  • Infertilidade
  • Hipoestrogenismo (baixa hormonal) /menopausa precoce

Por fim, o sexo e a sexualidade são importantes para a paciente com câncer de mama. Porém, para que ocorra, é fundamental que o organismo (corpo e mente) esteja em condições físicas e psíquicas adequadas para isso.

Nós médicos, não tratamos do tumor, tratamentos de pessoas que estão doentes com câncer, como vários anseios, desejos e necessidade. Converse com seu médico para que ele possa te ajudar a resolver algum destes problemas que possa estar acontecendo em sua vida.

Sexo sexualidade e câncer de mama - Dr. Wesley Andrade

Compartilhe essa publicação: