A RADIOTERAPIA INTRAOPERATÓRIA (RTIO) consiste em uma modalidade moderna do tratamento do câncer de mama. Corresponde à combinação do tratamento cirúrgico com a aplicação, no mesmo momento da cirurgia, de uma dose de radioterapia localizada na área onde o tumor apareceu.

Mas é importante ressaltar que este tratamento é uma modalidade nova e que só se aplica em algumas circunstâncias.

Para melhor entendermos o procedimento de radioterapia intraoperatória vamos explicar como é o tratamento clássico do câncer de mama.

  • A grande maioria das pacientes que descobre o tumor no início é candidata a uma cirurgia conservadora da mama. Esta cirurgia conservadora da mama tem o nome de quadrantectomia.
  • Na imensa maioria das vezes, a cirurgia conservadora necessita ser complementada com a radioterapia clássica.
  • A radioterapia clássica para o câncer de mama, neste contexto, consiste em receber de 15 a 30 aplicações de radioterapia na mama. Este tratamento é diário e demora de 15 a 30 dias úteis consecutivos. Esta grande variação no número de dias depende de uma série de fatores técnicos que foge do escopo deste texto.
Com esta explicação, já começamos a entender melhor as vantagens da RTIO, pois, uma dose única de radioterapia aplicada no momento da cirurgia com um aparelho especial de radioterapia, pode ser suficiente para resolver o problema e termos todo o tratamento finalizado em um único momento.

Quem é candidata a este tratamento com RTIO?

As pacientes candidatas a RTIO consistem primordialmente nos seguintes critérios:
  • Idade: ≥ 50 anos de idade
  • Tamanho do tumor: até 3,0 centímetros
  • Gânglios axilares: negativos
Outros casos podem ser elegíveis para tal procedimento. A indicação precisa é definida através da avaliação médica que analisa estes critérios acima mencionados e diversos outros critérios. O processo de tomada de decisão envolve uma consulta com o Oncocirurgião e/ou Mastologista e com o Radioterapeuta.
Como funciona a RTIOP?
  • Consiste na aplicação de uma dose única de radioterapia com um aparelho especial robotizado.
Seguranças oncológica:
  • Quando se preenche todos os critérios de elegibilidade, a segurança oncológica se aproxima da segurança oferecida pela radioterapia clássica.
Vantagens:
  • Procedimento mais conveniente, pois, em um único momento, o tratamento locorregional poderá ser totalmente concluído. Este é um aspecto fundamentalmente importante para que mora fora de grandes centros e precisam ficar por longos períodos fora do seu domicilio ate completar todos os dias de tratamento da radioterapia convencional.

Desvantagens:

A RTIOP por se tratar de uma modalidade de radioterapia localizada, trata apenas a área onde o tumor nasceu, e apresenta algumas desvantagens como:

  • Um pouco mais de chance de reincidência do tumor.
  • Eventual necessidade de complementação da radioterapia externa convencional
  • Não estar no ROL da ANS, não tendo cobertura pelos convênios médicos
O mastologista/oncocirurgião irá avaliar a paciente bem como os exames de imagem e a biópsia para verificar se a paciente se enquadra nos critérios de elegibilidade para o procedimento.
Em se enquadrando nos critérios de elegibilidade, o mastologista/oncocirurgião irá encaminhar a paciente para o radioterapeuta para que este especialista também avalie a elegibilidade para tal procedimento.
Em os dois médicos estando de acordo com os requisitos técnicos a RTIOP poderá ser realizada.
O procedimento em si:
  • Será realizado a cirurgia oncológica mamária obedecendo todos os critérios de segurança
  • Após a retirada do tumor, o material será analisado durante a cirurgia por um médico patologista através de um procedimento chamado biópsia de congelação para certificar as margens de segurança
  • Após a cirurgia oncológica for dada como uma cirurgia de êxito, neste momento, no próprio centro cirúrgico, será aplicado uma dose de radioterapia pelo médico radioterapeuta. Esta aplicação dura cerca de 30 a 45 minutos
  • Após concluído a fase de aplicação da radioterapia o cirurgião irá proceder ao remodelamento da mama a fim de ofertar o melhor resultado possível.
  • Em alguns casos, o cirurgião poderá inclusive optar por abordagens oncoplásticas/oncoreparadoras para ajustar o volume das mamas e proceder com cirurgias para o equilíbrio das duas mamas.
Equipe médica:
  • O procedimento consiste em um trabalho de equipe com total integração.
  • Participa do procedimento cirúrgico:
  • Cirurgião titular
  • Cirurgião(ões) auxiliar(es)
  • Médico anestesista
  • Instrumentadora cirúrgica
  • Médico radioterapeutas
  • Físico médico
Após a cirurgia, necessitamos aguardar o resultado definitivo da biópsia, para certificarmos se só esta dose única de radioterapia foi suficiente.